Arquivo para Pensamentos

A eterna divida do Brasil

// julho 30th, 2012 // Sem Comentários » // Pensamentos

Esses dias ouvi um colega defendendo o PT (Lula e Dilma), dizendo todo feliz que o Brasil quitou a dívida externa!

Bom, essa é a triste realidade da população Brasileira, que acredita que tudo o que a mídia diz e principalmente, no que o governo.

Então decidi fazer um post explicando direitinho as questões da dívida brasileira, mesmo quem não é economista pode entender o que lerá.
DE 2002 A 2010
Você ouve falar em DÍVIDA EXTERNA e DÍVIDA INTERNA em jornais e TV e não entende direito.
Vamos explicar a seguir:
DÍVIDA EXTERNA = é como uma dívida que você deve para bancos e outras pessoas…
DÍVIDA INTERNA = é como uma dívida que você deve para sua mãe, pai ou parente…
Quando LULA assumiu o Brasil, em 2002, os montantes eram:
  • dívida externa 212 Bilhões
  • dívida interna 640 Bilhões
  • Total de dívidas: 852 Bilhões
Em 2007 Lula disse que tinha pago a dívida externa. E é verdade.
Só que ele não explicou que, para pagar a externa, ele aumentou a interna!
Em 2007, no governo Lula:
  • Dívida Externa = 0
  • Dívida Interna = 1 Trilhão e 400 Bilhões
  • Total de dívidas = 1 Trilhão e 400 Bilhões
Ou seja, a dívida externa foi paga, mas a dívida interna mais do que dobrou.
Agora, em 2012, você pode perceber que não se vê mais na TV e em jornais algo dito que seja convincente sobre a Dívida Externa quitada.
Sabe por quê?
Porque ela voltou.
Em Novembro 2011:
  • Dívida Externa= 301,5 Bilhões
  • Dívida Interna = 1 Trilhão e 650 Bilhões
  • Total de dívidas = 1 Trilhão e 951,5 Bilhões
Ou seja, a dívida do Brasil aumentou em 1 Trilhão no governo Lula.
Daí é que vem o dinheiro para o PAC, bolsa família, bolsa educação, bolsa faculdade, bolsa cultura, bolsa para presos, dentre outras bolsas…
Não é com dinheiro de crescimento; é com dinheiro de ENDIVIDAMENTO, o que é preocupante.
Abaixo uns links que detalham mais o quanto o Brasil está endividado e o quanto o governo mente sobre o assunto.

Bono Vox, o polêmico líder da banda U2

// julho 22nd, 2010 // 10 Comentários » // Textos

Bono VoxFoi um show agitadíssimo. As milhares de pessoas presentes no estádio estavam esgotadas de tanto pular, dançar e cantar, ao som do mais badalado rock and roll e diante da pirotecnia produzida pelas mais modernas tecnologias em telões e iluminação.

Mas a noite ainda não estava completa. No final, em peso a galera começou a pedir bis. Foi aí que veio a surpresa. Depois de agradecer diversas vezes ao “Todo-Poderoso”, o vocalista da banda começou a cantar a palavra “Aleluia”. E não parou mais. Logo, a melodia contagiante e a mensagem penetraram na alma dos presentes e a massa também começou a louvar ao Senhor. Foi com este som, que o grupo deixou o palco. Se essa cena fosse vista em qualquer apresentação de música gospel, não haveria nada a estranhar. Mas não. Foi o encerramento de mais um show da maior banda de rock do planeta, o U2.

Também não foi uma exceção. Desde seus primeiro sucessos, como I will follow e Sunday Bloody Sunday, a religião e a política dão o tom das músicas da banda. Aliás, esse lado espiritual, fez com que a banda irlandesa fosse o único grupo da história a não sofrer com as acusações de trazer mensagens escondidas em seus álbuns, reveladas quando os antigos discos de vinil eram tocados ao contrário.

Nascido em Dublin, na Irlanda, no final dos anos 70, o U2 tem, desde seu primeiro disco (“Boy”), escrito letras inspiradas na fé de seus integrantes (o cristianismo), nos acontecimentos que presenciaram na Irlanda e, posteriormente, no mundo. (“Boy”, aliás, foi gravado numa época em que os membros da banda – exceto Adam Clayton, baixista – faziam parte de um grupo de estudos bíblicos).

Eles adoram pregar o Evangelho e batalhar por causas sociais e humanitárias com seu trabalho. Simplesmente, é impensável ver a banda flertando com o ocultismo ou qualquer coisa que destoe da mensagem cristã, como acontece com outros ícones do rock como Led Zeppellin ou Rolling Stones. Carolas? “Sei que Jesus levou todos os meus pecados na cruz. Por isso, muitas de minhas canções são como orações”, tem afirmado em diversas entrevistas Paul David Hewson, o Bono Vox, 45, líder da banda. Foi ele o responsável pelos “Aleluia”, cantados em encerramentos de shows da turnê mundial Elevation e por composições como 40, na verdade a leitura em ritmo de rock do Salmo da Bíblia.

O U2 – cujo nome em inglês lê-se “you too”, “você também” – já vendeu, em quase 30 anos de carreira, mais de 120 milhões de discos. Sua atual turnê, Vertigo (2005-2006), que atraiu no fim de fevereiro 150 mil pessoas para dois shows em São Paulo, já passou por 110 cidades da Europa e dos Estados Unidos e reuniu outros 5 milhões de espectadores. O sucesso é notório, tanto que a revista de economia Forbes a apontou como a segunda banda que mais ganha dinheiro no mundo, atrás apenas dos Rolling Stones. Porém, é na Internet e no mundo globalizado que se percebe que o U2 é mesmo o grupo de rock do momento. No site de relacionamentos Orkut há mais comunidades dedicadas a Bono do que a Mick Jagger e na rede é possível encontrar mais sites sobre o grupo irlandês do que sobre os Beatles.

Campeão em venda de ingressos e no mundo virtual, foi também o grande vencedor da última edição do prêmio Grammy, o mais importante da música mundial. Tanta badalação não pode ser creditada apenas à qualidade de suas composições. Norteado por princípios cristãos, Bono não se contentou em ser um astro pop e decidiu aplicar sua vida na luta por causas sociais e humanitárias. Primeiro no cenário doméstico da Irlanda, dividida pelos confrontos entre católicos e protestantes que já duram mais de um século. Depois, mundo afora.

Em 1984, homenageou o ativista e pastor negro Martin Luther King, assassinado em 1968 por causa de sua luta contra a discriminação racial, com a música Pride – In the name of love e começou a lotar estádios. Um ano depois, após participar do concerto Live Aid e ajudar na arrecadação de fundos para combater a fome na África, passou seis semanas em viagem missionária na Etiópia com a esposa, conhecendo in loco, as agruras do continente.

Longe da futilidade de outros grupos e do tradicional lema “sexo, drogas e rock and roll”, Bono tem trânsito livre com importantes líderes mundiais, a ponto de ser figurinha carimbada nos encontros do Fórum Econômico Mundial, em Davos, e de fazer coisas inusitadas no meio de suas apresentações, como ligar para autoridades da ONU ou pedir que o público envie por celular mensagens para o presidente dos Estados Unidos. Mas suas ações não ficam apenas no discurso. Ele foi o porta-voz da campanha Drop the Debt (Derrube a Dívida), que conseguiu perdão da dívida de 14 países e revisão da de outros quatro junto às nações mais ricas, o G8. Também garantiu uma ajuda de US$ 50 bilhões para os países mais pobres e remédios contra a Aids para 10 milhões de africanos.

Religião prática – Essa agenda movimentada faz com que Bono perca a paciência ao ficar horas em estúdio para novas gravações. “Falamos para ele ir para ‘aquele lugar’ e depois procurar o George Bush. E o pior é que ele vai”, brinca David Howell Evans, o The Edge, guitarrista do U2. O ex-presidente dos EUA era um dos maiores aliados de Bono em algumas de suas campanhas. Apesar de ter conquistado os norte-americanos com a renovação de seu estilo musical a cada disco e transformar a canção Walk on em um hino para os americanos após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, a aproximação se deveu mesmo à religião, já que Bush se declara um metodista fervoroso.

Filho de mãe protestante e pai católico, Bono prega uma mensagem ecumênica e de paz. Não à toa, foi a pessoa do ano da revista Time, ao lado de Bill e Melina Gates e, agora, foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz. Ele diz que os dois momentos mais importantes de sua vida foram os encontros com o evangelista batista Billy Graham e com o papa João Paulo II. Nos shows realizados na capital paulista, um dos momentos mais marcantes foi a exibição no telão descomunal formado por 12 mil pequenas lâmpadas da palavra “coexista”, com as letras C, X e T formando os símbolos do Islamismo, do Judaísmo e do Cristianismo. “Os rapazes do U2 realmente são cristãos convertidos”, diz o presbiteriano Steve Stockman em seu livro Walk on – a jornada espiritual do U2, lançado no Brasil pela editora W4 Endonet. (em 2010 será relançado com 6 novos capítulos)

Stockman, que não esconde sua admiração pela banda, explica que no começo dos anos 80, três dos quatro integrantes do U2 freqüentavam um grupo de oração e estudos bíblicos carismático em Dublin, na Irlanda, chamado Shalom. Além de Bono, The Edge e Lauren Joseph Mullen Jr, o Larry, professam a fé cristã desde aqueles tempos. Essa influência fica muito clara nos álbuns October e Joshua Tree. O primeiro, inclusive, chegou a ser classificado por alguns críticos como um disco gospel. “Realmente, naquela época, ouvimos muita música gospel. Precisávamos de uma mensagem. Algo que vivêssemos. Acho que isso acaba aparecendo em nosso trabalho”, confirma The Edge.

Como não professa a mesma fé dos amigos, o baixista Adam Clayton quase deixou a banda. “O grupo só não acabou porque ele conseguiu se adaptar à crença dos demais no decorrer dos anos.

A amizade e a união também foram fundamentais, já que a crença que os músicos têm é de uma espiritualidade mais prática e menos presa a conceitos tradicionais”, diz o jornalista brasileiro Claudio Dirani, autor do livro U2: história e canções comentadas, publicado pela Editora Lira. Segundo Dirani, não é possível entender a religiosidade da banda sem compreender também o contexto irlandês. “Lá não é como aqui no Brasil, onde o evangélico é uma pessoa com religião apenas nominal, em geral católica, que se converte. A Irlanda é muito religiosa e politizada e a comunidade Shalom não era tradicional como os católicos e protestantes do país”, explica.

Vindo desse contexto e de uma família mista, até hoje Bono professa uma religião independente, nem católica nem evangélica, mas com diálogo com as duas correntes. Talvez, por isso, muitos duvidem que seja mesmo uma pessoa que entregou a vida a Cristo, a ponto de ser chamado de anticristo por vários pregadores. E, de fato, ainda que fale muito da fé e o documentário sobre sua vida se chame O filho favorito de Deus, ele não é um cristão típico. Apesar de preservar muito sua vida pessoal, quase nunca aparecendo em revistas de celebridades e não gerando notícias de casos extraconjugais – é casado há mais de 20 anos com Alison Stewart, namorada dos tempos de escola, e tem com ela seus quatro filhos: Jordan, Eve, Elijah e John -, é chegado em outros tipos de polêmicas.

Já posou nu e foi filmado com o grupo consumindo cigarros e bebidas alcoólicas, colocando teólogos e ministros que o defendem em grandes dificuldades. Nesta última visita ao Brasil, esbaldou-se no carnaval de rua da Bahia, uma festa considerada profana para grande parte dos crentes nacionais. “O Brasil é o extremo mais sexy do catolicismo”, chegou a afirmar sem qualquer constrangimento e com a mesma desenvoltura que mostrou ao se apresentar em 1993, ao lado do escritor indiano Salman Rushdie, condenado à morte por radicais islâmicos por causa da publicação de Versos Satânicos. “Se analisarmos desse ponto de vista, realmente ele não tem o perfil tradicional de crente. Porém, não podemos desconsiderar seu engajamento e fé, ainda que sejam somente dele” analisa Steve Stockman, acrescentando que a música do U2 tem tido um papel importante ao aproximar a juventude alienada do mundo espiritual ao mostrar que qualquer um, especialmente aqueles que não são perfeitos ou santos, pode se chegar a Deus.

Um exemplo desse pensamento pode ser encontrado na música I still haven´t found what I´m looking for, uma das mais populares da banda. “Essa canção foi influenciada pela Bíblia, pela poesia dos Salmos que eu amo. Para mim é como o blues, em que o homem estava questionando Deus. Como Davi que fraquejou perante ele e clamou: ‘Onde está você Senhor quando preciso de ti?’ É mais uma música de dúvida do que de fé”, afirma Bono. Com frases como “eu falei com a língua dos anjos, eu já segurei a mão do diabo, mas não encontrei ainda o que estou procurando”, a composição, que mistura um coral de uma igreja evangélica com o rock e foi gravada em Las Vegas, conhecida como “a cidade do pecado”, fez a cabeça de muitos jovens, mas não convenceu vários líderes religiosos, mesmo com a justificativa de que fala sobre a necessidade de um encontro verdadeiro com Cristo. Alheio a tudo isso, Bono, com todo seu estilo fashion e sempre por trás de espalhafatosos óculos escuros, continua sua cruzada. Não parou quando surgiram, há mais de duas décadas, profecias no Shalom, que diziam que Deus não queria que eles tocassem mais, e não pensa em parar agora. E enquanto continuar, será possível ver cenas como a que milhões de telespectadores assistiram pela TV, no intervalo da decisão da NBA, a liga de basquete norte-americano. Quando as câmeras deixaram a quadra e focalizaram o show do U2, o líder do famoso grupo de rock, a mais satanizada das músicas, estava ajoelhado, fazendo uma oração. “Que darei eu a Deus pelos benefícios que me tem feito? Tomarei o cálice da salvação e invocarei o nome do Senhor. Cumprirei os meus votos ao Senhor”, dizia ele, enquanto recitava, do seu jeito bem descontraído, o Salmo 116.

U2 em Dublin / Irlanda

Não Estacione

// junho 5th, 2010 // 3 Comentários » // Textos

A vida muitas vezes não dá o tempo, não nos permite parar, estacionar pra recuperar folego.

O tempo interfere diretamente como vemos as coisas. Momentaneamente podem ser grandes, as escadas, os problemas, os sentimentos…as pessoas. Alguém que você amou muito, hoje nada mais é. Um problema indissoluto no passado, hoje nem problema é, torna-se um situação, que você tira de letra. A vida é assim mesmo, ela é sujeita ao tempo assim como o ferro é sujeito à maresia, ação essa que também é causada pelo tempo.

Não EstacioneExiste um ditado que diz que o tempo é o senhor da razão. E gosto de ditados assim, pois normalmente, ditos populares contém verdades absolutas (se é que elas existem, depende do tempo em que se vive também).

Mas é muito legal parar e olhar pra trás e ver como nós amadurecemos com a ação do tempo. Ações que eu outrora praticava e não abria mão, hoje já não fazem parte de minha vida, não fazem mais parte da verdade daquilo que sou. O nome disso é amadurecimento. Como diria meu amigo Paulo Rods aqui na Irlanda: “tempo, tempo, mano velho…”, ele corre macio, nós é que muitas vezes não percebemos o quanto temos mudado, melhorado por conta da ação do tempo em nós. E isso é tão proveitoso.

“Mas se você achar
Que eu tô derrotado
Saiba que ainda estão rolando os dados
Porque o tempo, o tempo não pára” – Cazuza

Não quero permanecer pra sempre jovem. Quero envelhecer, quero aprender com o caminhar da minha vida, com meus erros, meus acertos, minhas decepções e minhas glórias. Pensar em permaecer pra sempre jovem é uma escravidão que eu não suportaria jamais.

A vida não nos dá “break” e nesse tempo nós falamos demais, amamos raramente, odiamos frequentemente.

Somos acostumados a adicionar anos à nossa vida e não vida aos nossos anos. Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores. Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.

Estamos na era do “fast-food” e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno.

Isso me faz querer passar o tempo com as pessoas que amo, pois elas não estarão aqui pra sempre. Um abraço carinhoso não custa um centavo sequer.

“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.” (Eclesiastes 3:1)

A vida não para, então não perca tempo com bobagens!

Não sei Falar!

// dezembro 17th, 2009 // 5 Comentários » // Textos

Não Sei FalarEu não sei falar, pois ainda sou muito jovem. (Jr 1.6)

Se observarmos Deus chamando Jeremias para ser profeta às nações, vemos que a reação de Jeremias foi a que está em destaque no versículo acima.

Claro, Jeremias não era literalmente criança quando recebeu o chamado, mas possivelmente incapaz de falar corretamente diante de uma tarefa tão grandiosa como a de um profeta. Só que, quando Deus chama, só existe uma forma certa de reagir, e esta se chama “obediência”, pois o Senhor lhe disse: “Não diga que é muito jovem. A todos a quem eu o enviar, você irá e dirá tudo o que eu ordenar. Não tenha medo deles, pois eu estou com você para protegê-lo, diz o Senhor”.

E quanto a você, já se sentiu chamado por Deus para fazer algo específico? Qual foi a sua reação? A reação de muitos diante de um chamado de Deus é a sensação de impotência e incapacidade.

E aqui vai uma palavra de advertência: Se alguém atende ao chamado de Deus afoitamente, achando que vai abafar o mundo, cuidado! Essas são as pessoas que normalmente não dão certo naquilo a que foram chamadas.

Uma pessoa que reconhece a sua incapacidade, como no caso de Jeremias, é um caminho aberto para se confiar em Deus, e o Senhor o capacitará para realizar a obra na dependência do Espírito Santo. A Jeremias, o Senhor disse: “Veja! Eu hoje dou a você autoridade sobre as nações e reinos, para arrancar, despedaçar, arruinar e destruir; para edificar e plantar”. Como ficamos? Você se sente chamado para algo específico dentro do plano de Deus? Então reconheça a sua incapacidade, mas confie na capacitação que Deus dá e siga em frente.

Saiba que é Deus quem efetua em nós, tanto o querer, como o realizar!

Zebedeu!

// novembro 20th, 2009 // 7 Comentários » // Bobeiras

Rhys Ifans e Sienna Miller

Por que toda garota bonita, inteligente, legal e repleta de virtudes namora sempre um cara ZEBEDEU?!

É incrível.

Na rua é comum em Dublin se ver aquelas garotas lindas e styles andando com seus namorados Zebedeus!

A minha esperança e alegria é saber que um dia alguém vai olhar pra minha namorada e vai dizer: “Aquela garota linda e perfeita namora aquele Zebedeu!”

Arthur Miller e Marilyn Monroe

E o pior, ela ainda vai me achar lindo! (sei lá se isso seria pedir demais)

Mas Quem ama o feio, bonito lhe parece!

No fundo no fundo, todo homem queria ser um Zebedeu de uma garota.

Confira a reportagem da BBC sobre: Casamento de homem feio com mulher bonita tem mais chance de dar certo.

Isso já me deixa muito feliz!

Pra finalizar desabafo que: É chato ser bonito, mas te garanto que é mais chato ainda é ser feio.

Minoria Diferente

// abril 5th, 2009 // 5 Comentários » // Textos

“E a vida eterna é esta: que Te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17:3)

E fácil ser honesto no mundo programado para a desonestidade? É fácil manter-se puro, num mundo poluído pela imoralidade e arrasado por filosofias existencialistas, que pregam e ensinam que tudo o que conta na vida é o “aqui e agora”?

A revista Vogue aumentou consideravelmente o número de seus leitores depois de uma grande campanha publicitária que declara: “Vogue é lida pela esmagadora minoria”. A mensagem transmitia a idéia de que o importante não era o número de leitores, mas a qualidades destes. Ser minoria não é problema se a minoria se tornar esmagadora.

O que Jesus estava querendo dizer em Sua oração intercessória, é justamente que Seu povo sempre seria a minoria, mas devia ser uma minoria esmagadora, capaz de revolucionar o mundo, Uma minoria que não fosse contaminada, mas que “contaminasse”, que não fosse influenciada, mais que influenciasse.

Repetidas vezes Ele afirmou essa mensagem ao usar as figuras do sal, que sendo a minoria em meio aos elementos que formam uma comida, é capaz de mudar completamente o sabor dela. Outra vez usou a figura da luz, que sendo apenas um raio insignificante, pode romper o poder das trevas que reinam num quarto escuro.

A esmagadora minoria!

Não Te peço que os tires do mundo, mas que os mantenhas sempre “esmagadora minoria”, capaz de refletir o Meu caráter para os homens.
Todos conhecem a oração do grande pregador Carlos Spurgeon: “Dá-me doze homens, homens importunos, amantes de almas, que não temam coisa alguma senão o pecado, e não amem coisa alguma senão a Deus, e abalarei Londres de extremo a extremo”.

A esmagadora minoria de Gideão foi capaz de derrotar o inimigo. A esmagadora minoria dos cristãos primitivos foi capaz de levar o evangelho para todos os cantos do mundo conhecido daquele tempo.

Não tenha medo de formar parte da minoria, mas tenha certeza de que ela é “esmagadora”. Não tenha medo de que todos os seus colegas na faculdade saibam que você não fuma, não bebe e não usa drogas porque ama a Jesus. Não tenha vergonha de que todos os seus colegas de trabalho saibam que você não pode ter “aventuras” imorais porque ama a Jesus. Não sinta vergonha de ser honesto, de defender a virtude, de valorizar princípios, mesmo vivendo num mundo que o faz sentir-se na contramão da vida.

Faça de Jesus o centro de sua vida e permita que Ele viva em você as grandes virtudes do evangelho, sem falso moralismo, mas de maneira natural e autêntica.